brilho

Ter consciência e clareza do que te move, do que faz o seu coração vibrar e os seus olhos brilharem é o primeiro passo para direcionar suas atitudes e ações externas.

Por muitos anos vivi bem distante disso. Em busca de uma vida equilibrada com marido, filhos e trabalho me perdi completamente de mim. Casei muito cedo. Tive meu primeiro filho, três anos depois. Ao mesmo tempo em que eu cursava a faculdade de Letras, eu cuidava do meu filho pequeno, dava aulas de inglês – sobretudo, para ter a minha própria renda e atividade profissional – além de cuidar do relacionamento, das questões da casa e tudo o que isso implica.

A pouca idade contribuiu para que eu tivesse toda a energia necessária para dar “conta de tudo”, mas pouca consciência do caminho que eu estava seguindo. As pessoas ao meu redor ficavam surpresas com tamanha responsabilidade e capacidade de atuar em várias frentes; respondendo à varias situações desafiadoras. Um modelo muito próximo do masculino.

Após o nascimento da minha segunda filha, comecei – sutil e lentamente – a questionar os “meus valores”, principalmente quanto a casamento, trabalho e a vida que eu estava vivendo.  Quem olhava de fora, tinha a impressão de que tudo estava bem…

E até certo ponto, estava.

A questão era como EU estava me sentindo dentro de um modelo que tinha muito mais a ver com os valores externos, do que propriamente com a minha verdade.  Não dá para viver apenas 50% de quem você é. E era assim que eu me sentia, priorizando as necessidades dos outros em detrimento da minha própria.

Eu não tinha a menor dúvida quanto aos meus filhos. Aliás, educar, formar e descobrir o potencial de cada um deles (e das pessoas com quem eu trabalhei) era o que mais me motivava e me dava prazer.

Era o que me movia, o que fazia meu coração vibrar e os meus olhos brilharem.

Se não tivermos clareza dos nossos valores. Para onde estamos direcionando nossas intenções e ações. E ter consciência do caminho que estamos seguindo. Muito provavelmente, não chegaremos a lugar algum.

Aprendi, que para ter clareza é preciso – antes de qualquer coisa – ter um olhar interno, silencioso que precede toda ação externa. É o que te leva a se reconectar com você mesma. É estar atenta ao que se passa dentro de você para que possa ter consciência do que te move.

Às vezes, os ruídos do mundo externos podem atrapalhar sim. Mas, por outro lado, podem ser de grande valia também. Basta mudar o olhar.

Quando trabalhei no mundo corporativo me candidatei para fazer parte do grupo de Endomarketing da empresa. Estar em contato com colaboradores de outros departamentos e cidades diferentes, além de criar ações internas para promover o bem estar de todos foi decisivo na minha escolha em me candidatar.

Essa foi a oportunidade que eu encontrei de exercer uma nova atividade em total sintonia com os meus reais valores. O que me motivava muito (já que a atividade que eu exercia oficialmente, não me inspirava mais, tanto assim).

Buscar novos caminhos, (mesmo estando dentro da mesma empresa) me ajudou a ter clareza e consciência da direção que eu queria seguir. O que significa que todas nós podemos e devemos começar de onde estamos. Com todas as dúvidas, dificuldades e incertezas.

O processo de clareza e de consciência acontecem gradualmente a medida que você vai se conhecendo melhor, sintonizando com os seus reais valores e avançando em direção ao que faz seus olhos brilharem.

Cristina Cipolla

Minha missão é inspirar e empoderar mulheres a se expressarem e transformarem suas vidas, e seus negócios, de uma forma autêntica e integrada com seus valores essenciais para uma vida com muito mais significado.

Minha missão é inspirar e empoderar mulheres a se expressarem e transformarem suas vidas, e seus negócios, de uma forma autêntica e integrada com seus valores essenciais para uma vida com muito mais significado.